Burnout – um em cada três trabalhadores em risco de esgotamento profissional

Um terço dos trabalhadores apresentam risco de esgotamento profissional e cerca de metade queixa-se da falta de apoio dos supervisores em situações de maior stress, indica um estudo da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco).

De acordo com o referido estudo, são os empregados de lojas e supermercados (43%), os profissionais de saúde (não médicos, 39%) e quem exerce serviços administrativos (37%) ou profissões ligadas ao ensino (28%), quem apresenta um maior risco de desenvolver crises de burnout.

O estudo revelou, ainda, que “a diferença entre trabalhar ou não na área de especialização parece não se refletir nos números do burnout“, uma vez que, 30% dos que exercem funções na sua área estão em risco, contra 33% dos que não o fazem.

Conhecido como síndrome do esgotamento profissional, o burnout já se encontra na 11ª Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), da Organização Mundial da Saúde (OMS). Caracterizado como um fenómeno ocupacional e não como uma condição de doença, entrará em vigor em 2020 como um dos “problemas associados com o emprego e o desemprego” e tem o código QD85.

Uma definição mais completa classifica o burnout como “uma síndrome que resulta de um stress crónico no local de trabalho que não foi bem gerido”, sendo aplicado somente a fenómenos no contexto profissional. Como fatores de alerta, são destacadas três dimensões: sensações de esgotamento de energia ou exaustão, aumento da distância mental do emprego ou sentimentos de negativismo e de cinismo relativamente ao emprego e uma reduzida eficácia profissional.

O Dia de Consciencialização do Stress comemora-se a 6 de novembro. A data celebra-se tradicionalmente na primeira quarta-feira de novembro. Foi criada pela ISMA (International Stress Management Association) em 1998, no Reino Unido.

Os objetivos da data passam por fornecer informação sobre o stress e por promover a importância do bem-estar para o indivíduo, partilhando estratégias de combate ao stress às organizações e ao indivíduo.

O trabalhador é incentivado a dialogar com a sua empresa sobre o stress que conhece no desempenho do seu trabalho, enquanto a empresa é convidada a adotar medidas que atenuem esse mesmo stress.

O Dia de Consciencialização do Stress é uma oportunidade para as pessoas começarem a tomar contas de si mesmas, tirando tempo para identificar as pressões individuais a que estão sujeitas e descobrir formas de as eliminar ou reduzir.

 

Fontes:

Público

SIC Notícias